quarta-feira, 28 de setembro de 2016

EU SERVI O REI DA INGLATERRA - BOHUMIL HABRAL


Acabei de ler um autor tcheco, desconhecido do grande publico brasileiro. BOHUMIL HABAL; ele narra a historia de um zé ninguém, que se tornou um grande milionário da rede hoteleira de Praga, capital da ex Tchecoeslováquia, que se apaixona e casa com uma alemã professora de ginastica, (nazista fanatica ) e se torna um colaborador dos nazistas sem sequer saber do que se trata aquela guerra., Quando a guerra acaba, ele é preso e logo solto pois a turma percebe que ele era apenas um "bostinha". Mas ai vem o regime comunista e confisca todos os bens dele! 
Esse livro pertence a biblioteca da minha filha Surya Aaronovich, que foi quem me indicou a sua leitura
A maneira como o Habral escreve é uma mistura de humor com realismo fantástico;esta obra foi publicada em Praga em 1971. Obviamente esse autor foi expulso da associação dos escritores tchecos, pelo seu sarcasmo dirigido aos dirigentes comunistas tchecos.
A capa tem tudo a ver com a historia, mas precisa ler para saber.

Editado no Brasil pela Companhia das Letras, SP 2002.
Traduzido do inglês por Manuel Paulo Ferreira
Capa Ettori Bottini da obra de BRUNO BRAQUEHAIS (c.1850)




quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Esclarecendo

Eu passei alguns dias sem usar a Internet, por isso postei de uma só vez os livros que eu li e que ainda não havia conseguido postar.Felizmente LIVROS é um bem que não me falta.

UM ARTISTA DO MUNDO FLUTUANTE - KASUO ISHIGURO

Eu adorei reler esse livro do escritor Kasuo Ishiguro! Enquanto passava um final de semana em São Paulo, na casa da minha filha Surya aonde o livro estava emprestado.
Reminiscencias de um velho artista/pintor que viveu antes e durante a Segunda Guerra Mundial em Tóquio. Ao mesmo tempo em que ele venera o passado guerreiro do Japão, é rechaçado pelo caos e desintegração do presente pela invasão americana e sua cultura no país logo depois da rendição do Imperador.O mundo flutuante é ....
Editora ROCCO, 1989
A capa foi criada por Ana Maria Duarte a partir de um desenho infantil, anonimo.

A GAROTA EXEMPLAR - GILLIAN FLYNN

Resultado de imagem para LIVRO A GAROTA EXEMPLAR
Livro de suspense, escrito por uma norte americana que está fazendo sucesso.
Para mim, é uma mente homicida, apenas.

O GIGANTE ENTERRADO - KAZUO ISHIGURO


Resultado de imagem para o gigante enterradoAchei esse livro numa rua do Leblon, novo. Já estava querendo ler e fiquei bem feliz com o achado.
Kasuo Ishiguro nasceu em Nagasaki e os pais se mudaram para Londres quando ele tinha seis anos. Já tinha lido dele Um artista no mundo flutuante, e O Desconsolado, muito tempo atrás.
Nesse O GIGANTE ENTERRADO ele aborda através da ficção os temas mais simples da vida como o amor, a guerra e a memória. E a sensação ao ler é de um levante. A gente começa até com uma certa dificuldade a acompanhar os personagens principais do livro, mas o final é como uma sinfonia. Gostei muito.
Editora COMPANHIA DAS LETRAS,2015
A capa é linda, aliás todo o livro é bonito, azul e com uma textura muito agradável ao se manuesa-lo. Diferente.

KAPPA e o levante imaginario - RYUNOSUKE AKUTAGAWA

 
Escritor japonês cuja existência daria um belo !
Teve vida semelhante ao do compositor austríaco Amadeus Mozart em se tratando de criação. Começou bem cedo sua vida de escritor, assim como morreu. O nome dele dá nome ao premio mais importante da literatura no Japão. Foi do circulo literário do escritor Natsume Soseki, (que muito o incentivou) um dos meus autores japoneses predileto.
                                           Neste livro foram publicados os contos dele mais conhecidos. E o ultimo é uma premonição da sua própria morte.
Editora Estação Liberdade, SP 2010
Gostei muito.



terça-feira, 13 de setembro de 2016

SEI SHONAGON - O LIVRO DO TRAVESSEIRO

Faz muito tempo que eu queria ler esse livro! Desde a primeira vez que eu vi o filme do cineasta ingles Peter Greenway,  "O livro de Cabeceira", que na época não havia tradução desse livro para o nosso idioma assim que eu vi o livro num dos passeios que eu fiz pela livraria da Travessa, aqui no Rio de Janeiro o adquiri! E foi uma das melhores aquisições desse ano de 2016; um livro para estar mesmo na cabeceira do nosso colchão e ler homeopaticamente noite após noite.Amei!

eu apelo:
O Livro do Travesseiro
 
Organização de Madalena Hashimoto Cordaro

616 p. - 16 x 23 cm
ISBN 978-85-7326-515-6
2013 - 1ª edição; 2013 - 2ª edição
Edição conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
Como explicar que um livro escrito no final do século X, início do XI, por uma dama da corte a serviço de sua Imperatriz, em Quioto, numa sociedade tão diversa da nossa quanto o Japão feudal, possa tocar o leitor contemporâneo com tamanho frescor e alegria?
A resposta está no olhar extremamente aguçado de sua autora, Sei Shônagon (c. 966-1020), que conta no Ocidente com um largo número de admiradores - de Jorge Luis Borges, que traduziu parcialmente O Livro do Travesseiro para o espanhol, ao diretor inglês Peter Greenaway, que se inspirou na obra para criar o premiado filme The Pillow Book.
Com uma capacidade de produzir insights inesperados praticamente a cada página, Sei Shônagon ilumina tanto os pequenos fatos do cotidiano no Palácio Imperial, como os fenômenos da natureza, as sutis interações da vida social e a refinada trama de valores estéticos que enlaça e organiza praticamente todas as esferas da cultura.
Verdadeiro recenseamento dos costumes, práticas e mentalidades do período Heian - aquele em que se forma e sistematiza a estética propriamente japonesa -, O Livro do Travesseiro é composto por mais de trezentos textos que, lidos em sequência ou com a liberdade do acaso, compõem um inventário dos afetos, da sensibilidade e do conhecimento de uma época, filtrados pela ótica de uma escritora de talento excepcional

Sobre o autor
Sei Shônagon, como é conhecida hoje, recebeu tal nome enquanto atuava como servidora da Consorte Imperial Teishi, esposa principal do Imperador Ichijô (980-1011, no trono desde 986 até a morte). Nascida por volta de 966, filha e neta de poetas renomados, é convocada no ano de 993 pelo Conselheiro-Mor Fujiwarano Michitaka para servir à Corte de sua filha, Teishi, em Quioto, então capital do Império. Sei Shônagon inicia então, possivelmente aos 27 anos, suas atividades na Ala Feminina do Palácio Imperial, e logo começa a escrever os textos que comporão O Livro do Travesseiro, obra concluída no ano 1001. Em 1000, Teishi falece após complicações de parto, aos 24 anos, e, em 1011, morre o Imperador Ichijô. Afastada da corte, Sei falece em Quioto, por volta do ano 1020.
Editora 34, São Paulo.